Orçamento

Newsletter # 25

Nesta Newsletter você poderá ler:
1. Relato da Rota 66: Zenio
2. Você dentro da sua roupa
3. Roteiro Herança Americana



  • RelZenio.html

    Relato da Rota 66: Zenio

    O gaúcho Zenio viajou para a Route 66 em agosto de 2011 e conta para nós todas as emoções desta aventura inesquecível! Com participação do amigo Alexandre, confira o relato do piloto:

     
     
     

    “Meados de abril de 2011, meu amigo Alexandre e eu planejávamos algum tipo de viagem rodando de moto. Alexandre sugeriu: ‘vamos fazer a Route 66?’ ‘Vamos lá’, respondi. Encontramos um amigo que falou que outro amigo seu tinha informações de uma empresa de São Paulo que trabalhava com turismo de aventuras. Mais tarde descobrimos que essa tal empresa era a Apex Travel. Ligamos para a Apex e com a ajuda do Luiz e do Gabriel contratamos seus serviços.Fizemos o pagamento parcelado uma vez que não conhecíamos a empresa, então pagar parcelado era mais prudente. Começamos então a executar o Projeto Route 66. Começamos os preparativos com boa antecedência, incluindo aí a preparação física afinal de contas não somos tão guris e iríamos viajar de moto por 9 dias seguidos debaixo de muito calor.
     

    Depois a Apex nos passou algumas dicas de viagem muito importantes e necessárias. Com muita expectativa e ansiedade aguardamos a data da partida. Como demorou esta espera. O tempo não passava.Finalmente, sexta-feira dia 27 de agosto, embarcamos para a nossa esperada viagem. Tudo estava bem encaminhado aguardávamos ansiosos pelo que nos esperava. De Santa Maria somente o Alexandre e eu. Chegamos em Guarulhos onde encontramos os demais companheiros de viagem. Rápidas apresentações e o grupo foi se formando. A primeira impressão dos futuros amigos foi ótima. Recebemos uma camisa pólo e um boné da Apex que nos dava uma identificação como grupo. O espírito de aventura já estava no ar… A adrenalina a mil. O Gabriel (Apex) nos acompanhou todo o tempo. Fez todo o trajeto conosco voltando junto até São Paulo. Viajamos pela American Airlines, uma bela companhia aérea. A viagem foi tranqüila.Chegamos sábado em Los Angeles. Na chegada muitas fotos foram batidas no próprio aeroporto. A recepção foi muito boa. Em seguida, uma van (tipo Shuttle) veio nos apanhar e nos levar para o hotel. A impressão do hotel (Comfort Inn) foi excelente: confortável e agradável, tudo com simplicidade mas com qualidade suficiente (aliás, todos os hotéis da viagem foram excelentes). Começamos a interagir com os demais e logo se criou uma empatia muito natural. Todos simpáticos, alegres, divertidos e possuidores de uma espirituosidade ímpar; até parecia que nos conhecíamos desde muito tempo. A amizade do grupo foi se intensificando a cada dia e com certeza foi um dos pontos mais fortes da nossa viagem.

    Mas a expectativa maior era pelas motos; afinal de contas o passeio era… motociclístico!!! Expectativa esta que perdurou até o dia seguinte, segunda-feira. Fomos levados na mesma van, que descobrimos que seria o nosso carro de apoio durante todo o trajeto, até a Eaglerider. Aí sim a adrenalina veio à tona quando vimos aquele mar de motos. Todas elas motos eram muito novas, iguais ou melhores àquelas que imaginávamos encontrar. Por exemplo, a moto do Alexandre tinha somente 900 milhas, a minha, 4500 milhas. A Eaglerider tem um estoque fantástico de todas as marcas e modelos de motos, mas principalmente de Harley-Davidson.A felicidade do grupo estava estampada na cara de cada um. Todos felizes como crianças recebendo um brinquedo do papai Noel. Cada um pegou o seu brinquedo e foi fazer os primeiros testes. Alguns poucos já possuíam brinquedinho igual aqui no Brasil…
     

    Para mim a Harley-Davidson Road King era algo muito novo pois tenho uma Suzuki GSX 650 F. Eu cobiçava pilotar aquela moto de muito tempo e até já havia sonhado pilotando ela pela Route 66. Foi amor a primeira vista: me apaixonei pela minha Harley. Começamos a bater muitas fotos com as motos.Algumas pequenas voltas em torno da Eaglerider e já nos consideramos prontos para a viagem. Após, fomos reunidos num salão e apresentados aos guias de viagem: Marc (nosso camarada e parceirão guia by moto) que passou-nos as orientações necessárias e suficientes de como viajar em grupo pelas estradas americanas: velocidades permitidas, quando tivéssemos alguma dificuldade, como seríamos socorridos… Enfim todas as dicas de viagem. Acreditamos que o trabalho do Marc foi facilitado já que todos possuíam alguma experiência de viagem como motociclistas viajando em grupo. Também fomos apresentados à Gladys outra simpática guia. Junto com o Gabriel (Apex) formaram o trio de guias.Além de guias também serviram de intérpretes para os que tinham pouco inglês como eu e mais alguns. E agora??? Tudo pronto… Tchan, tchan, tchan… Route 66 lá vamo nóis…O Marc puxou a turma e em poucos minutos nos vimos numa auto-estrada muiiiito movimentada com uma enormidade de caminhões, carros mas também de muitas pistas e pareceu-nos muito segura. No primeiro momento o impacto foi enorme, principalmente pra quem não conhecia as estradas e motos. Pensei comigo ‘tô fu… encima deste brinquedão que não conheço nada’. O negócio foi acelerar e acelerar… Para não perder de vista o guia que puxava o grupo.A adrenalina teve um pico… O sangue ferveu e pulsou nas veias, afinal de contas não é todo dia que rodamos de moto numa auto-estrada em LOS ANGELES!!! Era só o começo da nossa aventura. Depois de mais ou menos 1 hora paramos. A parada era para o primeiro feedback e verificar se todos estavam bem. Pelos cumprimentos e abraços parecia que tínhamos ganhado alguma competição. Felicidade geral da galera!!! Descrever tudo é impossível. Só mesmo vivenciando…Cada dia novo, hotel… Comidas… Lugares… Estradas… Parques… Brincadeiras… Gafes… Piadas… Compra de muiiita bugiganga; bonés, camisetas, chaveiros, canecas… Foram os mais demandados. Grand Canyon… Zion Canyon… Los Angeles… Las Vegas… Hollywood… Beverly Hills… Quem não gostaria de viajar por estes lugares… E principalmente… De moto!!!

    A festa típica em Bryce Canyon City com direito a comida típica, xerife e grupo musical country foi algo muito divertido. Os parques: Joshua Tree, Grand Canyon, Bryce Canion são indescritíveis. As jantas inesquecíveis: no bar da Harley em Las Vegas e a de desfecho da viagem em Santa Monica (Forest Gump), fantásticas.

    A amizade, harmonia e a espirituosidade do grupo foi algo incomum. A atenção e boa vontade dos nossos guias: Gabriel, Gladys e Marc foram marcantes. O grupo dava liberdade para contar piadas e tirar onda com as gafes cometidas. Foram e serão inesquecíveis as brincadeiras e expressões: ‘Bate uma prá mim!!!’ – se ouvia a todo momento, entenda-se aqui que era somente para ‘bater uma fotografia’ e não 

    aquele sentido maldoso; ‘Quero um trem desses… Tudo junto com batata’ – não posso contar quem disse; ‘Borracha neles!’ do parmeirense (isto mesmo do Parmeira) Carlão; ‘Tô feliz pra caramba’ do Humberto; o Alexandre com aquela expressão do amigo que ‘… mas, beeeeebe’ virou clichê; a Regina, esposa do Humberto, comprou todas as canecas que encontrou na terra do tio Sam, comprou mais canecas que eu bonés.

    Agora um merecido reconhecimento aos casais: Carlão e Gê, Mario e Fernanda, Renato e Margarida, Humberto e Regina, que mesmo acompanhados tiveram uma convivência muito natural com os demais, principalmente a elas pela maneira brincalhona e colaborativa como trataram e conviveram com todos os demais solteiros e bem-comportados: Alexandre, Eduardo, Nery, Leonardo, Luidi, Marcão, Michel, Paulo, Walmyr e eu.


    Fica muito difícil eleger o que de melhor teve a viagem: motos, estradas, cidades, parques, compras… Mas acredito que por unanimidade todos votariam na qualidade e amizade do grupo. Fica registrada e impregnada a saudade desta maravilhosa viagem mas também a certeza: V O L T A R E M O S!!! Rota do Blues, talvez… Ou outra viagem qualquer de moto.
    Forte e gaudério abraço em cada um dos novos amigos. Agradecimento especial a Apex Travel, por tudo que prometeu e entregou. Boa sorte e sucesso a todos.”

    - Zenio Cezar de Oliveira (com concordância do amigo Alexandre Schmidt Cortez)

    Seja você também um piloto na Rota 66! Confira nossas datas para as próximas saídas e participe desta aventura incrível.

  • Roupa.html

    Você dentro da sua roupa

    Se a roupa deve ser adequada para cada atividade, no motociclismo ela é essencial. Pilotar uma moto é uma aventura mesmo nas pequenas distâncias: agregue a isso os fatores velocidade, clima, risco de contato com outros veículos e muitos outros que podem vir a ocorrer! Com o avanço da tecnologia têxtil, hoje contamos com um vestuário amplo que reduz consideravelmente os riscos da pilotagem, garantindo conforto, segurança e estilo (por que não?) para todo o tipo de motociclista.

    O fundamental é saber que a roupa depende do tipo de viagem a ser realizada. No asfalto, o principal é a resistência a abrasão e leveza, se a viagem for de longa distância – Uma indumentária “pesada” é desconfortável após horas de direção. Para altas velocidades, o roteiro pede vestimenta mais resistente, e o oposto para velocidades reduzidas. Além disso, há o fator clima: jaquetas e calças devem ter forração interna para os dias frios, e ao mesmo tempo entradas reguláveis de ar para o calor. Em dias chuvosos, o ideal é uma indumentária resistente à chuva ou totalmente impermeável. No caso de um roteiro de trilha, é necessário amortecer impactos e favorecer o alto grau de atividade do piloto. O ideal é uma vestimenta leve e folgada, que permita a circulação de ar, aliada a uma proteção inferior que não desloque durante os impactos. Os tecidos são simples e rasgam nos tombos, fazendo com que caneleiras, protetores de coluna e de cotovelos façam sua parte; o destaque são as botas, pois o motociclista está sempre colocando os pés no chão.

     

    Em relação ao material, a melhor opção é o couro. Utilizado há séculos, os mais populares são o bovino e o caprino, sendo bem aceitos em todos os estilos. As jaquetas podem vir já com proteção embutida, ou utilizadas sobre uma proteção inferior – a modelagem deve ser maior para não prejudicar movimentos. Temos a cordura, variação superior ao Nylon, usada desde mochilas até vestuário militar e que possui longa duração e resistência a abrasões. É impermeabilizante e ideal para a chuva. Por último, até o querido jeans entra na dança: grosso e com espaços para serem colocadas as proteções inferiores.

    Para os pés, sempre botas de couro – nada de tênis, sapatos ou sandálias! Podem ser nas versões cowboy ou com plataformas, mas dê preferência ao fechamento em zíper ou velcro. Nas mãos, as luvas precisam ser longas para proteger o punho, em couro ou cordura. De forma geral, o kit básico do piloto é composto de jaqueta e calça com proteções e uma boa bota que, se bem cuidados, duram cerca de quatro anos.

  • HerAm.html

    Roteiro Herança Americana

    Você conhece o roteiro Herança Americana da Apex Travel? Durante 14 dias, você aluga um veículo à sua escolha (automóvel, motocicleta ou motorhome) e pilota pelas incríveis cidades de New York, Washington DC, Orlando e Miami na companhia da beleza natural do sudoeste americano.

     

    O local de partida dessa aventura é a incrível New York. Retirando o seu veículo, passe por Philadelphia até chegar à imponente Washignton DC, onde você tira o dia só para aproveitar a famosíssima capital dos EUA! O próximo ponto da viagem inclui os parques de Shenandoah, Blue Ridge e Great Smokey Mountais, surpreendentes redutos naturais repletos de paisagens inesquecíveis. O ponto alto fica por conta da Reserva Indígena dos Cherokees, em um mergulho cultural nesta tribo indígena que tanto contribuiu para a história norte-americana. Chegando em St. Augustine, confira a mistura das heranças inglesa e espanhola nesta que é a cidade mais antiga dos EUA! Na próxima parada, a incrível Orlando o aguarda para um dia inteirinho de diversão em um dos parques temáticos. Um pulinho em Tampa, curiosa cidade onde atracaram piratas e bucaneiros, e você já está a caminho de Miami Beach. Neste paraíso natural, você devolve o seu veículo e explora o grande mundo das compras.

    São cerca de 2.761 km pelas cidades mais importantes dos Estados Unidos. Como você é o piloto da aventura, deixe o roteiro com a sua cara e aproveite para pôr em plano os seus gostos pessoais! Uma coisa é certa: seja com a família, amigos ou sozinho, esta é a aventura perfeita para conhecer de maneira íntima as paisagens inesquecíveis do sudoeste americano.

    Clique aqui e confira os detalhes do roteiro.

Cadastre-se