Orçamento

Newsletter # 11

Nesta Newsletter você poderá ler:
1. Brincando no Monument Valley
2. Minha primeira moto
3. Saldo da aventura



  • vale.html

    Brincando no Monument Valley

    Eu havia escrito sobre o Monument Valley na nossa News #7, com suas paisagens que lembram o cenário de um filme de faroeste ou ainda outro planeta distante, como Marte, por exemplo.

    A energia do local é incrível, e comecei a tentar dimensionar como somos pequenos e grandes ao mesmo tempo. Inversamente proporcional seria levar um dos índios Navajos para uma grande metrópole, como São Paulo. Certamente não desfrutariam da paz que me invadiu ao permanecer aquelas horas ali, passeando com os índios para conhecer o local, cantando suas canções folclóricas e experimentando suas comidas típicas.

     
     
     

    O vídeo do Metallica “I Disappear” foi filmado no Monument Valley e possui cenas das ruas de São Francisco, numa alusão à famosa perseguição de carros do filme “Bullit”, com Steve McQueen.

    Este cenário maravilhoso é parada obrigatória na nossa aventura Rota 66 & Velho Oeste. Confira!

     

     
     
  • 1st.html

    Minha primeira moto

    Meu amigo Caetano De Genaro Jr. fala um pouco sobre sua luta e expectativa para conseguir a primeira motoca: uma Yamaha RS 125, ano 1978.

    Eu tinha feito a minha parte…

     

    Dei duro por vários meses,  Office-boy bancário, salário pequeno porém totalmente guardado. Morava com meus pais, não tinha despesas além das pessoais e estas, bem, estas podiam ser negligenciadas em favor de um sonho.

    Havia anos que eu consumia avidamente as revistas especializadas, procurando sempre os detalhes, os lançamentos, as novidades. O mundo das duas rodas me encantava desde que me lembro, desde quando me apaixonei pela primeira bicicleta, pelo vento no rosto, pela velocidade e por toda a sensação de liberdade que ela transmite.

    A infância, deixada pra traz pela adolescência, porém transformara a bicicleta  não mais uma novidade emocionante, mas em veículo corriqueiro do grupo de amigos. O sonho agora ia mais longe, queria mais…

    Eram anos difíceis aqueles em que as importações estavam cerceadas e uma motocicleta se tornava um sonho ainda mais distante. Ao passar defronte às lojas, as últimas motos importadas, caríssimas, eram a cada dia mais escassas, arrebatadas por outros apaixonados que tinham condições de pagar por elas.

    Mas as revistas traziam novos sopros de esperança, vindos da emergente indústria nacional. Nada do glamour das vitrines internacionais, eram motos de baixa cilindrada e tecnologia vulgar, porém estariam logo disponíveis ao público médio.  Eu tinha que conseguir me incluir dentre estes…

    Obter um  emprego foi apenas o primeiro “round”  vencido a partir do qual as lutas da vida adulta  iriam imperceptivelmente enlaçando-me, hipnotizado pelo sonho de consumo possível. Chefes, obrigações, hierarquia, horário, responsabilidades. Nada poderia se interpor entre ela e eu.

    A escolha foi fácil, afinal o dinheiro que obtivera , mesmo com a relutante ajuda de meus pais não permitia comprar nada além da tão desejada Yamaha RS-125. Entrar na loja e fechar negócio era outro caso, Exigia uma coragem que apenas a presença e apoio paternos poderiam conferir.  A única unidade disponível era verde e embora não fosse minha cor preferida, eu não poderia suportar a ansiedade da espera por outras cores. Comprei-a e como não fosse habilitado, mandei entregá-la emplacada diretamente em minha casa, processo que levaria três intermináveis dias nos quais eu só tinha o “manual do proprietário “ e o estojo de ferramentas.

    Na tarde do terceiro dia, ao voltar do serviço incrédulo avistei-as na garagem.Num misto de medo e ansiedade girei a chave e a luz verde acendeu no painel. Acionei a pedivela , ouvi o ronco do motor e senti o cheiro do óleo 2 tempos, meu coração bateu mais rápido. Agora, a liberdade era só questão de tempo…

    A moto eu já tinha !

     

    Envie também  seu relato para publicarmos:

    news@apextravel.com.br

     

     
     
     
  • Aventura.html

    Saldo da aventura

    Foram 12 dias extremamente intensos, mais de 2.800 km. praia, campo, rochas, desertos, escaladas, calor, cidades fantasma, cidades suntuosas, altitude, neve e motos, muitas motos.

    Daqui há 20 dias estaremos lá de novo!

                                                                                                                                 

     
     
     
     
     
     
     
     
     

    Isso é só um tira-gosto!

    Visite nosso site e consulte nossas próximas saídas! 

     

     

     

Cadastre-se